geração distribuída de energia

Geração Distribuída: Quais As Opções?

geração distribuída de energia

Geração Distribuída (ou GD), de acordo com a legislação brasileira, é uma fonte de energia elétrica conectada do tradicional mercado cativo (ou do livre). Por meio da geração distribuída é possível deixar de ser apenas um consumidor, ou um simples contratante de um serviço, e se tornar co-gerador da sua própria energia elétrica. 

Sem falar que optar pela geração distribuída é optar pela utilização de energia limpa e sustentável através de fontes renováveis. As opções incluem a luz solar e o gás natural, por exemplo, o que promove a diminuição dos impactos ambientais provindos de fontes não sustentáveis e ainda gera uma economia para o seu bolso. 

Continue lendo e conheça mais sobre uma das mas formas mais inteligentes de se gerar energia elétrica.

Como funciona a geração distribuída?

Dependendo da potência máxima das redes elétricas instaladas, os sistemas de geração de energia renovável ou cogeração qualificada se dividem em dois: a microgeração distribuída, para potência de até 75Kw, e a minigeração distribuída, para os sistemas acima disso que não ultrapassem 5 Mw. O que faz com que a geração distribuída seja uma opção mais acessível para empresas que ainda não alcançam o limite para entrar no mercado livre de energia.

Uma das principais vantagens da geração distribuída é a possibilidade de utilizar a energia excedente injetada na rede em forma de créditos que duram até 60 meses. O que só ajuda ainda mais a promover vantagens como a redução na perda de energia, o baixo impacto ambiental e a economia em investimentos nas linhas de transmissão e distribuição da rede. 

Fontes de energia renovável

O sistema compreende geração de energias renováveis ou de grande eficiência energética como a solar, hídrica, eólica ou até mesmo biogás. A forma mais comum com certeza é a fotovoltaica, ou a energia do sol, principalmente devido ao fantástico recurso solar do Brasil, com capacidade de gerar 1.550 a 2.350 kWh/m² por ano. 

Mesmo que o sol seja uma fonte intermitente (já que não há luz solar durante a noite), um gerador armazena a energia produzida durante o dia e a distribui da forma mais adequada. Tirando isso, a geração de energia solar não é poluente, geralmente necessita de manutenção mínima, é eficiente em locais distantes e de difícil acesso, e, como foi dito antes, é abundante durante o ano todo no Brasil.

A geração de energia por meio hídrico (uso da água) ou eólico (uso dos ventos) também representa um número de vantagens, mas sofre com a mesma intermitência de eficiência da luz solar. Por vezes de forma ainda mais inconstante, já que condições climáticas representam um papel ainda mais importante durante a geração (como a necessidade de chuvas constantes e ventos fortes).

Como uma alternativa, o uso do gás natural ou biogás vem crescendo cada vez mais como uma fonte de energia econômica e renovável, principalmente pela falta dessa variabilidade constante das outras fontes. Uma térmica movida a gás possui alto grau de eficiência energética e serve para dar mais segurança ao sistema elétrico.

Ainda assim, a energia solar continua sendo a melhor escolha para quem quiser iniciar um  processo de geração distribuída de energia. Se quiser saber mais sobre fontes de energia no Brasil, não perca tempo e baixe nosso ebook Matriz Energética Brasileira

TEM INTERESSE?

SOLICITE UM ORÇAMENTO

Postagem relacionadas